AGORA PARCELAMENTO DO SIMPLES NACIONAL ESTÁ MAIS FLEXÍVEL

AGORA PARCELAMENTO DO SIMPLES NACIONAL ESTÁ MAIS FLEXÍVEL

Em, 11.11.2020

José Homero Adabo (1)

Desde o último dia 03/11, as empresas optantes do Simples Nacional poderão reparcelar os débitos apurados por este regime especial em até 60 parcelas mensais e sucessivas.  A autorização é da IN/RFB nº 1.981/2020. Os pedidos de parcelamento deverão ser apresentados exclusivamente por meio do site da RFB na Internet.

 Agora, o contribuinte que teve seu parcelamento de anos anteriores rompido, poderá reparcelar, desde que atendidas as seguintes e principais condições abaixo:

  • O pedido de parcelamento deverá ser formulado em nome do estabelecimento matriz, pelo responsável perante o CNPJ.
  • Para o reparcelamento de débitos constantes de parcelamento em andamento ou que tenha sido rescindido, o contribuinte deverá desistir expressamente do acordo em vigor.
  • O reparcelamento somente ficará deferido com o pagamento da 1ª parcela num dos seguintes valores:
  • 10% do total dos débitos consolidados ou
  • 20% do total dos débitos consolidados, caso haja débito com histórico de reparcelamento anterior.
  • O prazo máximo deste novo parcelamento é de 60 meses.
  • Serão aplicadas na consolidação as seguintes reduções das multas de lançamento de ofício:
  • 40%, se o sujeito passivo requerer o parcelamento no prazo de 30 dias, contado da data em que foi notificado do lançamento; ou
  • 20%, se o sujeito passivo requerer o parcelamento no prazo de 30 dias, contado da data da notificação da decisão administrativa de 1ª instância.
  • O valor mínimo das parcelas é de
  • R$ 300,00, no caso de parcelamento de débitos de ME e EPP;
  • R$ 50,00, no caso de parcelamento de débitos de MEI.
  • As parcelas serão corrigidas mensalmente pela taxa de juros SELIC até o mês anterior ao do pagamento e mais 1% relativo ao mês atual.
  • Vencimento no último dia útil de cada mês.
  • O parcelamento será automaticamente rescindido por falta de pagamento de 3 parcelas, consecutivas ou não, ou de sobra de saldo devedor após o vencimento da última parcela (casos em que haja algum erro de recolhimento, com pagamento a menor).
  • Para fins de rescisão do parcelamento, a RFB considera que uma parcela paga com valor a menor é uma parcela não paga.
  • Uma vez rescindido o acordo, será apurado o saldo devedor e o débito será encaminhado para a dívida ativa da União, podendo prosseguir com a cobrança via judicial.
  • Na rescisão do parcelamento, a RFB irá restabelecer o montante das multas sem o desconto.
 COMENTÁRIOS DO ESCRITÓRIO

 É uma boa oportunidade para contribuintes que já possuem parcelamentos rescindidos e por isso não puderam permanecer no regime do Simples Nacional, mas que agora poderão nele retornar. Os descontos de 40% e 20% são aplicados apenas às multas de lançamento de ofício e não às multas de mora. São exemplos de multa por lançamento de ofício as multas por infração à legislação tributária. Assim, as multas e juros de mora não sofrem qualquer redução neste parcelamento.  Todas as prestações serão corrigidas pela taxa de juros SELIC. Esta taxa é a menor do mercado financeiro. O valor mínimo das prestações de R$ 300,00 para as empresas ME e EPP é bem razoável.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS: Esclarecimentos adicionais e solicitação de pedido de simulação para este parcelamento poderão ser obtidos no Departamento de Tributos e Reorganização Societária, pelo e-mail info@escritoriotaquaral.com.br ou telefone (19) 3251.8577diretamente com a profissional que atende à sua empresa, a qual estará sob a Coordenação de Sirlene Souza.

Ressalvamos que o conteúdo acima é um mero resumo explicativo da legislação veiculada. Para outras questões pertinentes à matéria comentada, mas não abordadas neste trabalho, favor consultar a própria legislação no link a seguir (i) http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=113049 (ii) http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?idAto=57825&visao=compilado

________________

(1) José Homero Adabo é Contador inscrito no CRC/SP sob o nº 74.137/O-3.

Related posts

GOVERNO PAULISTA VOLTA ATRÁS PARA ALGUNS PRODUTOS, MAS MANTÉM AUMENTO DE ICMS A OUTROS

Em, 16.01.2021 José Homero Adabo (1) O Governo do Estado de São Paulo publicou ontem cinco decretos, que já entraram em vigor no próprio dia 15/01, quatro dos quais mantém a mesma carga tributária anterior ao aumento do ICMS determinado pelas medidas de ajuste fiscal aprovadas pela Assembleia Estadual,...

Saiba Mais

BANCOS JÁ ESTÃO RECEBENDO DARF ATRAVÉS DO “PIX”. STF DECIDIU QUE PJ QUE PRESTA SERVIÇO INTELECTUAL É EMPRESA PARA FINS FISCAIS

Em, 13.01.2021 José Homero Adabo (1) Bancos já estão recebendo DARF através do PIX Alguns bancos já estão recebendo pagamentos de tributos federais, através do novo sistema de pagamento denominado de “PIX”. DARFs emitidos por meio da DCTF Web (apenas os relacionados aos tributos e contribuições previdenciárias) já podem...

Saiba Mais

STF PRORROGA ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA EM MEIO À PANDEMIA DO NOVO CORONAVÍRUS

Em, 31.12.2020 José Homero Adabo (1) O estado de calamidade pública no Brasil, declarado pela Lei nº 13.979/2020, terminaria hoje, dia 31 de dezembro. Contudo, o STF, apreciando pedido de partido político e avaliando que ainda existem todas as razões para a sua manutenção, decidiu ontem manter o estado...

Saiba Mais
Como podemos te ajudar?
Enviar pelo WhatsApp